Copyright© 2017-2019 - Todos os Direitos Reservados -  Elizeu Cardoso

Desenvolvido por Jonathas Sales

March 26, 2020

January 15, 2020

January 3, 2020

December 29, 2019

December 21, 2019

December 18, 2019

December 17, 2019

October 28, 2019

September 23, 2019

Please reload

Posts Recentes

UM GALO PARA DUAS CABEÇAS

August 11, 2017

1/5
Please reload

Posts Em Destaque

O RELÓGIO

January 15, 2020

Por isso, que aquela senhora de vestido cheio de flores , franziu a testa, lhe perguntando se estava tudo bem. Depois voltou a folhear a revista que tinha nas mãos, na mesma sala de espera.

 

Ele nunca havia vindo à ilha. Conhecia o Boqueirão por ouvir falar, mas nunca de atravessar. Por isso, achou bonito para danar quando o barco foi se aproximando e viu aquele casarão branco se destacando na paisagem. Ficou pensando o que seria aquilo, mas uma senhora explicando para a netinha, acabou por lhe tirar a dúvida também.

- É o Palácio dos Leões, minha filha, a sede do governo.

Nascera num povoado na estrada entre o Cujupe a entrada de Bequimão. E só veio porque lhe trouxeram, por uns esquecimentos bobos que vinham lhe acometendo.

- Bobos? – Disse a mulher arrumando sua valise – É porque tu é assim, tudo para ti é bobagem. Se tu tá esquecendo tudo. Essa semana mesmo tu foi dormir, dizendo que já tinha jantado. E antes de ontem deixou o pote sem água, coisa de nunca ter visto. Rum hum, viver é jeito, morrer é descuido.
- Mas mulher isso não é doença, é o quengo pedindo descanso. Imagina o que tá aqui dentro – Disse apontando com o dedo para cabeça – É o dia inteiro aí funcionando. E quem vai cuidar da roça e botar o comer dos bichos?
- Mais teimoso do que tu, só tua burra! E se tu morrer ou piorar quem vai cuidar? Amanhã mesmo tu vai para ilha. Tua filha vai te esperar lá na rampa, e vai te levar de tarde ao médico. Assim que sair do serviço volta para te buscar.

Agora lá estava ele. Sentando na sala de espera, olhando para o relógio na parede, viu marcar 17:00. Lembrou-se da esposa, e pela primeira vez sem ela, sentiu-se nervoso. Coração acelerado e nada de lhe chamarem. Pensou, com as mãos frias:

- Vou morrer certinho às 17:30! Mas morrer assim? Antes de entrar na sala do médico? Que morte, hein – E aquela suadeira danada pelo pescoço, e escorrendo pelas pernas da calça.
Os ponteiros avançavam 17:15. E cada minuto sentia o fôlego mais curto. 17:16...17:17...17:18...

Tentou se distrair lembrando-se das histórias que havia vivido. E acabou por se perguntar:
- Se eu tô ficando esquecido, como é que lembro das histórias antigas? – Deduziu, não querendo olhar para o relógio ali em frente. Virou a cabeça, fechou os olhos, mas não resistiu. Os ponteiros corriam...17:29.

A suadeira ensopava a camisa, as pernas tremiam, e as mãos já não aguentavam paradas. Sozinho estava ali, porque a mulher havia se levantado para ir ao banheiro. Quando voltou, não percebeu o nervosismo dele.

- Que morte mais sem jeito. Só mais um minuto de vida... – Então, pensou em rezar, mas desistiu – Eu não vou estragar só esse minuto com reza, vou é lembrar da Maria. Que me amou a vida inteira. Eita, mulher com M maiúsculo. E pôs-se a lembrar de como era bonita quando nova. A morenice da Baixada, e aquele ar faceiro. Não demorou foi na casa dos pais lhe pedir em casamento.

Estava de olhos fechados, suspirando a lua de mel, quando esquecido dentro da história, os abriu. Apavorou-se ao ver a hora exata no relógio da sala de espera:

- Aiii, eita diacho! Maria eu não vou voltar, mas te levo comigo. Teu amor é Boqueirão, mexendo aqui dentro! – Disse atropelando as palavras. Mas vendo que não morria, sorriu sem jeito para aquela mulher, duas cadeiras depois da sua. Por isso, ela de vestido cheio de flores, franziu a testa, lhe perguntando se estava tudo bem. Depois voltou a folhear a revista que tinha nas mãos, na mesma sala de espera.

17:31...

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags