Copyright© 2017-2019 - Todos os Direitos Reservados -  Elizeu Cardoso

Desenvolvido por Jonathas Sales

October 28, 2019

September 23, 2019

September 4, 2019

September 4, 2019

August 30, 2019

August 30, 2019

July 5, 2019

May 31, 2019

Please reload

Posts Recentes

UM GALO PARA DUAS CABEÇAS

August 11, 2017

1/5
Please reload

Posts Em Destaque

PROMESSA DE SÃO JOÃO

June 25, 2019

Acordara antes do dia, por isso bocejava demoradamente, parada ali na porta da cozinha. Observava a dança das bandeirinhas coloridas sobre o quintal varrido. O festejo ia começar! – Pensou alegre, voltando a entrar. Havia esquecido por alguns instantes do café no fogareiro, mas o cheiro invadindo a casa lhe apressou os passos em direção ao saco de passar, enfiado nas palhas acima do jirau.

 

- Já tô cum fome, Matilde – Reclamou Apolinário, sentado na cadeira de macarrão – Nunca que pensei que a velhice fosse assim. Sono vai imbora, e fome chega. 
- Calma, meu velho. Aqui fome não mata home. Pra quem tem fé, nunca farta o café. Tu tá te alembrando que hoje cumeça o festejo de São João?
- E é? E eu lá me alembro de arguma coisa? 
- Credo, tu não te alembra nem de quando era patrão do boi?
- Ah, disso eu me alembro. Mas num sei mais fazer toada, elas desaparecero, minha cabeça secou. Quando era mais novo, fazia a hora que quiria.

 

Matilde se aproximou do marido, e deixando a xícara de café preto lhe entregou um pedaço de bolo de tapioca. Ao vê-lo comer apressado, advertiu:

- Calma Apolinário, o bolo num vai correr. Diacho de fome é essa! Nem quando tu trabalhava na roça era assim esgulepe - Em seguida voltou até a cozinha.

 

Retornou para sala com um prato e uma cuia d’água, se postando em frente ao altar. Admirou o quadro desbotado de São João, se benzeu e depois de pingar a vela, fixou-a no prato. Em seguida, com cuidado foi derramando a água, até enchê-lo quase que completamente.

 

- Eu ainda nem murri, e tu já tá apreperando as homenage pra mim? – Assustou-se, o marido com um pedaço de bolo grande vazando pelos cantos da boca.
- Mas que ideia. Tu tá ficando um velho cheio de invencionice. De noite na hora da ladainha, quando acender a vela eu te digo quem será o homenageado este ano do nosso batalhão.
- Me diz logo, mulher, tu sabe que velho morre quando ninguém espera. Vai que quando deitar pra cuchilar eu não abra mais os olho? A morte ouve a conversa dos vivo.

 

Sorrindo, Matilde deixou o fósforo sobre o altar para tudo está perfeito quando começasse a ladainha na boca da noite. Pensou nas palavras do marido, e achou engraçado – Vai que esse doido tenha razão – Por isso resolveu contar:
- Será o teu pai, João Cazumba. Tu lembra dele? Partiu há tanto tempo...

 

Ele não respondeu, revirou o último gole de café, e espiando para a porta da casa, viu o pai entrando. O mesmo bigode escuro no rosto, chapéu de palha na cabeça, camisa surrada, calça enrolada na canela e sandália de couro arrastando no chão. O seguiu com os olhos, enquanto o pai atravessava a sala. Na metade do caminho, as roupas mudaram. Tudo era colorido e cheio de brilho. Com o chocalho na mão, o pai o encarou e sorrindo lhe perguntou:

- Não vai me ajudar a por a torre na cabeça?

 

Apolinário duvidou se daria conta, pois naquela idade até andar havia desaprendido. Mas não é que conseguiu? Deixou o bastão de lado, pois sentia as pernas como no tempo de menino. Levantou a torre e ajeitou na cabeça do pai. O velho sorriu, já transformado em cazumba. Beijou a cabeça do filho, com aquele mesmo cheiro de cigarro, e desapareceu, feito fumaça, dançando lá para as bandas do quintal, onde o vento com sem-vergonhice atiçava ainda mais as bandeirinhas.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags