Copyright© 2017-2019 - Todos os Direitos Reservados -  Elizeu Cardoso

Desenvolvido por Jonathas Sales

15 Jan 2020

Por isso, que aquela senhora de vestido cheio de flores , franziu a testa, lhe perguntando se estava tudo bem. Depois voltou a folhear a revista que tinha nas mãos, na mesma sala de espera.

Ele nunca havia vindo à ilha. Conhecia o Boqueirão por ouvir falar, mas nunca de...

3 Jan 2020

Vendo que as nuvens mudavam de cor e caminhavam mais pesadamente no céu, levantou-se com dificuldade. Espiou mais uma vez para o alto em direção as torres da igreja da Sé, e só então, seguiu pela calçada da Avenida Pedro II, naquele fim de tarde. Quando já ia atravessa...

29 Dec 2019

Ali, no lugar chamado Faveira, por onde corre o rio Pericumã e se estendem os campos, é que alguém ordenou que se acendessem as lamparinas da casa. “Seis horas”, e se não botam as claridades como é que Nossa Senhora acerta as casas?

Antes já haviam espalhados os mochos...

27 Dec 2019

Ao ouvir os estouros dos foguetes e ver a fumaça enevoando as torres da igreja Matriz, apressou-se em jogar a última cuia d’ água sobre a cabeça. Em seguida passou as mãos pelos braços e canelas e calçou as sandálias. Ainda pensou em encher mais um balde, mas se lembro...

21 Dec 2019

As casinhas acesas nas chamas da lamparina
Na paisagem a brisa leve, feito pés de bailarina
Um menino banha nu, na despedida da tarde
No céu alaranjado, um resto de claridade
Mas quando o dia se espanta, carregando a manhã
Os verdes todos se mostram, saudando o Pericum...

18 Dec 2019

Foi logo depois de uma chuva grande, que pariu clarões e trovões no céu, que Ernestino abrindo a janela por onde entrava o silêncio das claridades, pôs-se a reclamar da noite mal dormida:

- Diabo de tanto tambor! A gente passa o dia no mar, comendo vento e dançando com...

17 Dec 2019

Vivendo há tanto tempo naquele casebre, ali com os pés quase dentro do rio, ninguém compreendia como ainda discordavam tanto um do outro e em quase tudo. Se não existissem as sem-vergonhices assim que abriam os olhos, entrecortado pelo canto do galo; logo depois do alm...

28 Oct 2019

Foi logo depois do último trovão, que ela bocejou, inquieta com aquela chuva toda. Fingiu que ainda dormia, mas só esperou a claridade atravessar a cortina fina do quarto, para se levantar. Abriu os braços, feito um passarinho, e resmungou alguma coisa, vendo o marido...

23 Sep 2019

Desde menino, seu sonho era ser jogador de futebol. Mesmo num lugar distante daquele, entre Guimarães e Mirinzal, sem energia, televisão ou geladeira, bastava o pai ligar o rádio que ele esquecia dos outros meninos lhe chamando para brincar. Aquela voz acelerada narran...

23 Sep 2019

“É agora ou nunca!” – Pensou Nicolau ao ver a tropa se distanciando um pouco, obedecendo ao seu pedido. Só após observar que os soldados retiravam as armas dos ombros e as pesadas e molhadas botas dos pés, após um dia de caminhada, embrenhou-se na mata. Viu a lua cresc...

4 Sep 2019

Janeiro
A delicada correnteza 
do amor primeiro.

Fevereiro 
Aqui dentro do peito, 
O mesmo fogareiro.

Março,
O desejo incontido, 
que já nao disfarço.

Abril,
A pele incendiada, 
desnudada e tão febril.

Maio,
A chama quando amamos, 
antes do desmaio.

Junho,
Cúmplic...

4 Sep 2019

Até o galo se confundiu ouvindo aquela conversa ali no quarto, pensando ser o fim de madrugada, se pôs a cantar, acordando os quintais da vizinhança. Todos os outros galos o seguiram, tecendo em cantorias o dia que ainda estava longe de nascer.
- Acorda, marido! Diacho...

30 Aug 2019

A tarde se danou para esfriar, logo depois do almoço. O vento brincando de “já-ô” por entre as árvores e fazendo redemoinhos, sem muita altura, com as areias do quintal. De vez enquanto uma folha seca se perdia no azulamento do céu. 

 
- Um friozinho desses é feitiço de...